"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

. Crise e Poupança

.arquivos

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

A Psicologia legitima as pessoas

No final da série “Os Sopranos” a psiquiatra da personagem Anthony Soprano, começa a questionar o seu trabalho com este chefe da Máfia. Ela corre riscos ao tratar os ataques de ansiedade dele, certamente acreditando que estará a fazer bem. Por um lado, é uma profissional que não deve recusar um paciente, por outro lado, quem sabe, ao tratar um poderoso mafioso poderá a estar prestar serviço público - Criminoso equilibrado não dá logo tiro nos cornos, corta só um dedo ou dois e ainda dá a escolher.

 

A Dra. Jennifer Melfi tem um baque ao ler um estudo que concluiu que a psicoterapia só legitima o psicopata, ou seja, o criminoso.

Imaginemos o mafioso a ir ás sessões de psicologia, acabando por se convencer que é mas é uma vítima do sistema, da sua educação, do meio cultural em que cresceu. Aí tem a redenção para toda a miséria que espalhou. Se calhar nunca pensou bem no assunto, mas agora que pensa, consegue se perdoar de todas as pessoas a quem limpou o sebo, de todos os dedos que cortou, todos os dentes que partiu, etc. É um coitado que nunca foi convenientemente amado.

 

Eu vou mais longe: pela minha experiência, do que eu conheci profissionalmente e pessoalmente, das pessoas que eu conheci que frequentaram psicologia clínica, a psicologia serve para legitimar TODA A GENTE. (e não costumo escrever em letras grandes).

 

O Besta egoísta, irresponsável e agressivo sai de lá reforçado, a pensar em como nunca recebeu a atenção que devia dos papás. A Pateta egocêntrica, insegura, sem os mínimos valores, sai de lá convencida que tem valor e deveria era fazer uns bons cursos de desenvolvimento pessoal.

A psicologia vai ajudá-lo a sublimar-se. Não vai ajudá-lo a ver a realidade como ela é, mas vai tentar fazer o que faz a IURD e a psicologia popular brasileira: levantar-lhe o astral, ensina-lo a pensar positivo. Fixe, também é preciso, o que o que acontece é que esse efeito vai durar só dias e depois tudo vai voltar ao mesmo. Você vai continuar a ser a mesma pessoa, com os mesmos problemas, com as mesmas limitações, com os mesmos defeitos.

 

A melhor maneira de ganhar um cliente é fazê-lo sentir-se bem. Já ouvi de psicólogas que disseram coisas como “você é melhor que a sua ex-mulher”. Xau! Com este elogio como é que eu não iria gostar desta psicóloga? Pese embora, ela esteja a falar de uma pessoa que desconhece absolutamente.

 

Para mim, o principal objectivo da psicologia não é aumentar a auto-estima a qualquer custo. O principal objectivo da psicologia deve ser aumentar o auto-conhecimento. E acredito que isso leve, consequentemente, a uma maior auto-estima. Mas esta é uma maneira mais difícil e dolorosa.

Porque eu acredito que não há nada que nos torne mais especiais do que a verdade, a autenticidade - nós sermos nós próprios. E para aprendermos a sermos nós próprios, temos que nos conhecer. Como alguém artificial pode ser especial se é uma imitação de algo, de ideias, modas e clichés?

publicado por antiego às 10:41
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
6 comentários:
De tou anónima, não me chamo helena a 8 de Fevereiro de 2011 às 18:33
Eu tenho um odio visceral a psicologos.
No entanto dou por mim muitas vezes a ter um lado de "psicologa" muito activo nesse sentido que ai mencionas. Arranjar alibis ou handy caps para as acções dos outros.

Sempre que há uma situação onde não agem bem comigo (refiro-me exclusivamente a alguém proximo, relação, amigo ou familiar) tenho tendencia activar o tal processo de auto conhecimento mal passa a fase e de me sentir realmente ofendida e zangada com o que me disseram/fizeram.

Analiso tudo o que disse ou não disse, fiz ou não fiz. Mesmo que a minha acção tenha sido espoletada por reacção consigo facilmente chegar à brilhante conclusão de que a 2º acção do outro sujeito pode ter sido provocada e justificada com a minha anterior reacção à acção. Quem descobre este meu ponto fraco consegue manipular-me com uma grande pinta, à grande e à Francesa.

Uma pessoa que age inicialmente de forma correcta e depois se torna uma besta só pode ter uma mudança tão brusca por culpa minha, é sempre a conclusao inconsciente a que chego, embora o racional me diga que a pessoa não mudou, está só a mostrar-se como é quando tira a capa e que eu me devia focar em melhorar as minhas reacções em vez de estar a usa.las para justificar comportamentos alheios....

Um Psicologo diria que funciono assim porque a minha mãe sempre me fez sentir culpada e sempre insistiu tanto que acabei por inconscientemente acreditar que isso é verdade. Mas não preciso que um psicologo me diga isso e me faça sentir imensamente melhor porque afinal ate n tenho culpa. Explica-me porque o faço.
Porreiro, mas giro giro era explicar como deixar de fazer.....

Não tenho paciencia para psicologos. Fazem o mesmo que eu, analizam à exaustão os motivos, desculpabilizam as acções e não alteram em nada o problema.
De antiego a 9 de Fevereiro de 2011 às 10:21
Ui, não percebi "Mesmo que a minha acção tenha sido espoletada por reacção consigo facilmente chegar à brilhante conclusão de que a 2º acção do outro sujeito pode ter sido provocada e justificada com a minha anterior reacção à acção".

Precisava de um exemplo concreto.
De tou anónima, não me chamo helena a 26 de Fevereiro de 2011 às 11:52
por exemplo....tu apontas-me uma arma e eu reajo dando-te uma joelhada no abono de familia. Furioso, atiras.

A minha acção foi a joelhada que veio por reacção a estares a apontar-me uma arma, o tiro foi a tua 2ª acção em resposta à minha reacção.

Resumindo, neste exemplo idiota apesar de ter levado um tiro haveria grandes probabilidades de acabar a pedir-te desculpa por depois de analisar a situação chegar à conclusão que a causa fui eu ao dar a joelhada...e desvalorizando a verdadeira mola da situação: a arma apontada.
De antiego a 28 de Fevereiro de 2011 às 10:33
Posso-me tentar identificar pensando que também tens um lado perfecionista. Daí te centrares nos teus defeitos e tentares te melhor.
Eu tenho o hábito de me penetenciar muito quando faço algo de errado. A politica é: se eu me der o suficiente na pinha isto não volta a acontecer.

Mas entretanto também já aprendi a me desculpar mais. Isso até foi um amigo meu que me chamou a atenção de um modo veemente:
- Alto Aí !! Tu tens o direito de errar.

E ainda mais quando foste provocada, quando tens desculpas desse calibre.

Às vezes penso que mais vale a pena nem falar com as pessoas. Ficar por aqui com a familia. É por isso que as pessoas eram muito amigas, casam-se e nunca mais se falam...
De tou anónima, não me chamo helena a 28 de Fevereiro de 2011 às 12:34
Sim, é mesmo isso, sou muito exigente comigo, abuso na introspecção, culpabilizo-me com facilidade e penetencio-me. Sou exigente também com os outros em primeira analise, mas mal eu cometa o mais ligeiro erro transfiro para mim a responsabilidade de TUDO na situção em causa desculpabilizando a outra parte.

Sei que tenho o direito de errar mas justifico os erros dos outros com os meus. Se eu não tivesse feito a pessoa teria sido correcta...acabo a sentir-me responsavel pelos meus actos e pelos dos outros.E mal erro desvalorizo o facto de que regra geral só o faço por reacção. Depois perco tempo e energia a tentar justificar-me e compor a situação. É um bocado doentio...

Ter consciência às vezes é um fardo! Assim como o são as aspirações a perfeição! Os que não as têm não perdem tempo e energia a sentir-se culpados nem a desculpar-nos a nós... :)

Ás vezes tb penso que não vale a pena falar com as pessoas, mas depois passa-me, entendo-me com outros como eu, e ainda vão havendo alguns.



De antiego a 28 de Fevereiro de 2011 às 15:49
Ter consciência pode ser um fardo se ela for madrasta.

Comentar post

Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds