"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Lei do Ruído 2017

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

Luto, o que é isso?

            Está na moda o pessoal fazer luto. Luto para aqui, luto para acolá. Fazer luto de relações. Ok, eu compreendo, eu é que sou preconceituoso e gosto de usar as palavras para o que elas foram criadas originalmente. Conceitos com os quais não nos identificamos, não entram, zombamos deles.

            Fixe, fazer luto é ultrapassar um revés, não é? Digam-me os psicologos. A partir daqui podemos a passar a vida a fazer luto. Fazer luto da namorada que nos deixou, fazer luto de ter perdido o emprego, fazer luto do Sporting ter perdido o campeonato. Partimos uma perna e já não convalescemos.

- Meu, parti uma perna, estou a fazer luto. Tenho que aceitar que parti uma perna e ultrapassar isto.

            O psiquiatra viu-se com a situação de um cliente lhe ter dito que mal se tinha divorciado tinha começado a namorar outra vez. Que cena, ainda não saiu de uma e está-se a meter noutra. Mas, o luto….

- Qual luto?

            Ah, você tem que fazer o luto. O luto tem que se fazer.

            Depois não querem que existam neuróticos! Vocês querem que eu faça o luto? Mas eu não sei o que é isso! Contrato duas carpideiras para chorarem à minha beira? Até eu chorar também e me sentir miserável e tão sensivel?

            Ora bolas. Lutem vocês.

publicado por antiego às 16:24
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
25 comentários:
De sextrip a 26 de Novembro de 2007 às 16:41
a expressão "fazer o luto" em casos de separação (numa relação portanto) advém de uma outra expressão também muito comum... a de que "nos morreu algo" (a dedicação, a confiança, o amor num total).
um corte muito cerce num relacionamento, numa vida, etc, sugere uma morte.
no entanto... nem sempre isso acontece, nem tem que "forçosamente" ser assim.

se a expressão foi criada por psicólogos ou não... isso é que já não faço a mínima ideia.

nunca ouvi ninguém dizer que estava a fazer um luto por perder o emprego ou porque o carro foi para a sucata... o que seria deveras idiota.
mas, já não digo nada !!!
De antiego a 26 de Novembro de 2007 às 17:07
Eu compreendo o conceito e até lhe dou valor, embora não me identifique com ele:
A questão aqui é o que acontece com todos os clichés: o uso e abuso deles.
Arrelida é o sobre-utilização e a teatrialização à volta do luto.
Como tu dizes, uma pessoa não tem que forçosamente fazer luto. É por isso que eu faço a caricatura de fazer o luto do Spoting ter perdido o campeonato.
De sextrip a 27 de Novembro de 2007 às 10:47
não é novidade que neste nosso país, quando surge uma expressão que "soa bem" ou parece "in" toda a gente a usa e abusa à exaustão (quase sempre sem que se entenda muito bem o significado ou contextuá-la).

a cada um a sua ridicularia...

creio que já uma vez falámos daquela que mais me irrita : o... "amei" isto ou "estou a amar" aquilo.
as pessoas julgam que desta forma estarão a enfatizar, a vincar, determinado sentimento ou atitude quando afinal (na minha opinião) estão simplesmente a ser ridículas.

não sei porquê mas faz-me sempre lembrar a anedota em que o marido ao telefone com o médico pergunta à mulher:
ó melhére, o sô doutôre pergunta se tens orgasmos...
e a mulher:
não hóme... tenho ADSE.
De antiego a 27 de Novembro de 2007 às 12:15
Tens razão. Eu diria que as pessoas chegam a ser patetas. Muitas vezes usam as expressões desadequadamente e nem sabem o que significam. Não sentem, são robots.
A anedota está gira, não tou a ver é a relação :-)
De Maaf a 26 de Novembro de 2007 às 17:41
Quando se trata de uma morte, acho bom a pessoa chorar o ente perdido, penso que faz bem, ajuda a aceitar! Quando se trata de uma relação, depende de cada pessoa. eu pessoalmente acho que para esquecer uma é meter-se noutra... mas há quem goste de assentar a poeira... é muito relativo!
De antiego a 26 de Novembro de 2007 às 19:41
Plenamente de acordo de que a melhor maneira de esquecer um amor é arranjar outro amor.
De sextrip a 27 de Novembro de 2007 às 11:56
não será isso também colocar o "amor" ao mesmo nível de um qualquer bem de consumo ?
acabou um... vai-se ao hipermercado buscar outro ?!

sempre me pareceu outra forma bastante volúvel de encarar o amor.
De antiego a 27 de Novembro de 2007 às 12:09
Isso é uma maneira muito crua de ver as coisas. Todos nós precisamos de afecto, ainda mais quando passamos por uma fase dificel. Perder alguém significa muitas vezes perder a nossa fonte de afectos. Ficamos terrivelmente carentes, precisamos de preencher um vazio, distrairmo-nos, curar essa carência. Já não vivemos na época em que as pessoas definhavam por desgosto de amor. Para apagar todas as memórias que nos perseguem do ultimo amor, nada melhor do que criar novas frescas memórias, no presente.
De sextrip a 27 de Novembro de 2007 às 13:04
é crua sim.
a realidade costuma ser uma coisa bastante crua.

tens razão... ficamos carentes, desamparados, etc.
procuram-se afectos substitutos, sem dúvida.
chamar-lhes "outro amor" é que pode ser bastante complexo.

senão vejamos... quantas vezes resultam frutíferos esses "amores" que surgem imediatamente a seguir a uma separação ?
quantas vezes não estaremos apenas a "usar" outra pessoa em nosso benefício ? quantas vezes não surgem acusações (provavelmente bem fundadas) de estarmos com esta pessoa (de agora) a querer resolver os desaires que tivemos com a outra (de antes) ?
sendo o amor algo tão raro e aleatório como se afirma (e concordo com isso)... como é que se pretende que, então, de repente, surja afinal um outro logo a substituir o perdido ?!?
compromete isso, a meu ver, muito seriamente os critérios muito selectivos de chamar "amor" a um relacionamento.

precisamos de afectos, sim senhor... precisamos de companhia, de alguém (ou algo) que nos ajude a sarar mas... essas trocas quase instantâneas de amor por outro amor raramente são efectivas ou eficazes.

se me apontares casos em que se terminou uma relação que já não era de amor (ou nunca havia sido) e que "trocamos" por um amor que já se tinha (na altura proibido ou clandestino)... isso... já é um caso diferente, já é bastante mais realista.
também acontece.
De antiego a 27 de Novembro de 2007 às 13:28
Claro que é uma força de expressão o "curar um amor com outro amor". Se preferires, a ideia é curar um desgosto afectivo com um novo relacionamento afectivo. Nem quer dizer que amavamos a ex, nem quer dizer que amamos a presente. A palavra amor não pode ser levada, aqui, com muito rigor.
De sextrip a 27 de Novembro de 2007 às 20:27
talvez eu seja "demasiado" rigoroso com a palavra, sim.
De Maaf a 26 de Novembro de 2007 às 17:45
tu és de Valongo?
De antiego a 26 de Novembro de 2007 às 19:35
LOL, XAU, como é que sabes que a minha familia é de valongo? (dessa bela terra, onde as pessoas se tratam por amor)
Agora tou intrigado.
De Maaf a 27 de Novembro de 2007 às 09:31
Porque te conheço de lá!
De antiego a 27 de Novembro de 2007 às 12:11
Eu nunca morei em Valongo. Tenho é muito familia lá. Acho dificel conheceres-me de Valongo, a não ser que sejas minha prima.
De Maaf a 27 de Novembro de 2007 às 14:29
Se calhar! !!!! O mundo é pequeno!
De antiego a 27 de Novembro de 2007 às 15:59
Da maneira que falas, já me viste em Valongo.
De Maaf a 27 de Novembro de 2007 às 16:09
Tou na tanga!!! Era para te dar mais baile! Mas já chega!
Não! Não te conheço!
Ontem estive a ver o teu blog e apanhei uma cena que falava em Valongo, e pensei que fosse de lá!
Também não sou de Valongo, mas conheço essa terra! (sou da Maia - tem muito mais pinta!)
De antiego a 27 de Novembro de 2007 às 16:17
Toda a gente gosta de surpresas.
De Maaf a 27 de Novembro de 2007 às 16:19
Não te estava a assustar, pois não???
De sextrip a 28 de Novembro de 2007 às 10:31
tás "na tanga", ou... "de tanga" ???

De Maaf a 28 de Novembro de 2007 às 10:45
De tanga.... preta... muito gira...
De Miss Bradshaw a 27 de Novembro de 2007 às 18:35
muito bem...fazer o luto....como tu tao bem dizes tornou-se cliché!

hoje toda a gente aplica esse significado a kk porcariazinha! "aiii fikei sem carro...tou de luto!"
para mim luto é quando perdemos algo que nos era tao essencial,tao vital á nossa existencia que temos a alma negra,e isso reflete-se ate na maneira de vestir.

ja com as relaçoes amorosas...o meu ultimo luto foi um bom banho e muito chocolate! mas nao digo que chorar faça mal.se a pessoa assim se sento,força! agora andar feito desgraçadinho da santa casa...poupem-me!

**
De sextrip a 27 de Novembro de 2007 às 19:32
banho ... + ... chocolate
ou
banho de chocolate ???

(é que a segunda hipótese deve ser MESMO interessante)
De Miss Bradshaw a 28 de Novembro de 2007 às 17:01
ahah

desta x foi so banho + chocolate!

mas claro que ,como chocólatra anónima essa ideia agrada-me spéé!! LOL =P

Comentar post

Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds