"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Lei do Ruído 2017

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Sexta-feira, 5 de Agosto de 2011

Herói Moral D. Pedro

         O Homem que declarou a independência do Brasil, tornando-se no seu imperador D. Pedro I e, mais tarde, D. Pedro IV de Portugal tendo doado o seu coração á cidade do Porto, bem que pode ser considerado um Herói moral, até porque o foi considerado na época. Um verdadeiro Homem de gandes causas e que qualquer causa o queria como seu Homem, pelos vistos.
         É das personagens mais fascinantes da história portuguesa, porque a uma alma bondosa, desprendida e idealista (embora terrivelmente impetuosa), se alia um vivacidade invejável pelo próprio Eros. Se Eros vivesse apenas 36 anos, teria encarnado nesta vida. Os seus feitos e legado são colossais.
         Como bondade, vivacidade e poder podem conviver no mesmo homem que não se interessou por ser um dos homems mais poderosos do mundo, tendo recusado as coroas de Espanha e Grécia e tendo abdicado das coroas brasileira e Portuguesa.

         Os relatos sobre ele chegam a inspirar ternura, ficando-nos a ideia de que, afinal, o homem caprichoso só queria ser amado (e não ser o todo-o-poderoso): "Não era o desejo de D. Pedro I imperar como um déspota, pois "sua ambição era ser guardado pelo amor de seu povo e pela fidelidade das suas tropas e não impor sua tirania".


         Transcrito da internet:

         <<Em 1826, os liberais espanhóis ofereceram a coroa de seu país a D. Pedro, a quem consideravam um "bem-feitor dos Povos" e muito "digno".>>

         <<Mas, como todas as naturezas espontâneas, tinha um fundo de grande bondade. Herdou do velho Rei seu pai a liberalidade […]. Tinha, da mãe, sobretudo, a impetuosidade. Foi essa impetuosidade, aliada ao seu estabanado cavalheirismo, que o levou a libertar dois povos.
            Um punhado, largo, de boas qualidades: bravura, honestidade, desprendimento pessoal, idealismo. E um acentuado desejo de bem fazer – o que o não impedia de ser, muita vez, injusto e agressivo até com os seus melhores amigos.>>

          "O príncipe era extremamente simples, e enquanto a sociedade da época como um todo considerava qualquer forma de trabalho manual algo relegado somente a escravos, D. Pedro não se importava em trabalhar com as próprias mãos.[8] Fazia questão de manter uma relação direta com o povo, e sentia prazer em estar entre gente comum.
          D. Pedro I não acreditava em diferenças raciais e muito menos em uma presumível inferioridade do negro como era comum à época e perduraria até o final da II Guerra Mundial. O Imperador deixara clara a sua opinião sobre o tema: "Eu sei que o meu sangue é da mesma cor que o dos negros".[14] Era também completamente contrário a escravidão e pretendia debater com os deputados da Assembleia Constituinte uma forma de extinguí-la."

         São estes heróis morais que deviamos dar a conhecer aos nossos filhos, como este que tinha "um acentuado desejo de bem fazer"
         Veja com os seus próprios olhos o Coração de D. Pedro.

publicado por antiego às 17:24
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Quarta-feira, 3 de Agosto de 2011

O Menaço

            O menaço é um tipo maduríssimo, com ar ponderado, tão auto-confiante que nem precisa de falar muito, um olhar dele à matador pode dizer tudo. Ele não ri, esboça uns sorrisos paternalistas.
            O menaço é como um paizão comedido, não entra em grandes brincadeiras, entra quando o rei faz anos e deixa no ar a ideia de que “quando ele quer, sabe ser engraçado”.
            Na verdade, estamos unicamente na presença de uma imagem. O facto de ele falar pouco não é indício que seja uma pessoa de muita reflexão sensata, é mesmo porque ele não tem muito para dizer. O que diz passa pouco para além de banalidades e clichés. Não tem profundidade, não tem originalidade, não tem nada de novo para dizer. Não tem estilo, não é espirituoso, não é mordaz, não é romantico. Não conta longas histórias, não conta as coisas com muito entusiasmo, é desprovido de paixão. É um gajo muito terra-a-terra, não vacila enquanto olha e gosta de mulheres. As grandes qualidades advêm da sua temperança:  tem consciência que não deve estar sempre a falar, é atento e sabe ouvir melhor que a média.

            O exemplo mais conhecido de Menaço que me lembro é o Mr. Big da série Sex and the City. Outro, claro está, é o Pedro Abrunhosa.
            Ou seja, a antítese de homens apaixonantes.
            Uma engraçada paródia ao menaço é feita na série cómica Rockefeller 30, na personagem Jack Donaghy (Alec Baldwin) – o executivo maduro que fala "assim" (voz grossa, serena e pausada)... mas é um grande palhaço.
 

             Desde os tempos da Universidade reparei nestes menaços, roído de inveja, com o sucesso que tinham entre as mulheres. Vejo a imagem de um a chegar à cantina, com ar muito sério e circunspecto, sem dizer uma palavra, a dirigir-se para uma rapariga de vinte e poucos anos. Ela sorri, ele mantém o ar sério à matador e chega a sua face para que a rapariga, feliz de o ver, lhe cumprimente com um beijo. Ele domina só com o olhar e atitude.

             Compreendo que se sintam atraídas pela maturidade e segurança, agora acho muito pouco atraente pessoas que se interessam por homens tão chochos e desapaixonantes.

tags:
publicado por antiego às 17:30
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Terça-feira, 2 de Agosto de 2011

Salvando os nossos Filhos

            O Investimento em educação é aquela velha história: não tem resultados imediatos, nem em 5 anos - o tempo de uma legislatura. Os resultados levam 20 anos a terem efeito e quando o tiverem, ele não será muito notado, porque o pessoal só repara nas coisas negativas.

 

            O Investimento não me parece muito comparado com o de outras áreas, e menos ainda quando estou certo que os ganhos são imensos e efectivos, muito maiores que os das outras áreas.

 

            Louvo iniciativas particulares, que tenho visto aqui e ali, como os exemplos do programa “30 minutos” – trabalhos sociais nas escolas problemáticas. Os Clã gravaram um vídeo com uma escola super-problemática do Porto. Há outra escola de Lisboa (acho que a Sarney)  com aulas de violino, que tem feito maravilhas com os miúdos (também vi uma reportagem no Brasil idêntica). A Fundação Luís Figo ofereceu 1 semana num campo de férias aos melhores alunos de cada turma da escola mais problemática de Setúbal.

            Ao que parece o Real de Madrid comporta-se como uma verdadeira instituição de utilidade pública: Fundação Real Madrid abre escola desportiva para crianças desfavorecidas no Algarve. Acaba por não ser dinheiro perdido, porque é uma óptima forma de projectar o nome do clube.

 

            O Valor de uma geração mede-se pela capacidade em criar a seguinte. As gerações parecem valorizar-se ao depreciar a seguinte. Se não és pai, não tens culpa nenhuma, se és pai a culpa é do sistema.

Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds