"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Lei do Ruído 2017

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Quarta-feira, 25 de Dezembro de 2013

O Amor é

Durante a minha vida fui conhecendo muita gente adulta e madura que ía falando sobre o amor e paixão.

Nos inicios dos anos 90 eram as teorias cliché que toda a gente assumia como puras verdades, nas quais a paixão era uma grande ilusão própria de adolescentes pouco vividos. O pessoal distinguia completamente paixão de amor. A paixão era coisa de miúdos e não existia, o amor era de adultos, sentimento maduro, bem fundamentado, que se ía construindo ao longo do tempo. Hmmmm, pensava eu... a vida não pode ser isto.

Conheci uma mulher de vinte e poucos anos que casou com um homem bastante maduro, uns 10 anos mais velho que ela. E ouvi-a comentar:

- o José não era propriamente um liceal para se apaixonar por mim.

Ou seja, ela estava a dizer que, como era de esperar de um homem maduro, ele não se tinha apaixonado por ela, coisa que parecia não só perfeitamente aceitável como desejável. Se uma mulher descobre que o homem com quem vai casar está apaixonada por ela... é melhor cancelar o casamento: esse homem não é experiente.

Imagino que ela, por sua vez, se tenha permitido apaixonar por ele, visto que era de uma idade em que não parecia ridiculo as pessoas apaixonarem-se. A minha única leitura de básico foi: então esta tipa casa-se com um gajo que nunca se apaixonou por ela?

Lembro-me também de ver uma senhora a ser entrevistada na televisão que parecia ter tirado o doutoramento em vida. Ela dizia que para ela só havia um tipo de amor: o correspondido. O outro ela tratava o desdém que se tratam as coisas insignificantes.

Anos passaram e vim a conhecer um homem super-carismático, apaixonante, entusiasta, bem-parecido, com mais de 60 anos, que se apaixonou por uma mulher da sua idade, casou em poucos meses e divorciou-se passados outros tantos meses. E fui conhecendo outros casos de paixão de pessoas idosas. Cinquentões vividos com paixões assolapadas, paixões que deram em casamento. De referir que o divórcio do 1º caso se deveu aos filhos da noiva terem minado a relação. Também fui lendo outras poesias que se aproximavam bem mais do meu conceito de amor. E qual o meu conceito de amor? Ora, nada mais fácil, começa por ser o que consta no dicionário. Nos anos 90 eu achava perfeitamente idiota considerarem paixão e amor duas coisas diferentes quando o amor é uma paixão. A minha geração bacana confundia amor com amizade.

Lembrei-me de escrever isto porque vi “Malena” - um filme lindissmo sobre um adolescente com uma paixão assolapada.

“Signora Malena, alguém bem mais capaz do que eu escreveu que o único verdadeiro amor é o amor não correspondido

O Amor? O Amor é o que poeta disser.

tags: ,
publicado por antiego às 23:36
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Terça-feira, 3 de Dezembro de 2013

Pensamento do dia

Hoje apercebi-me que a morte é a grande tragédia para o ramo dos seguros de vida: além de se ter que pagar uma pipa de massa, perde-se o cliente.

Isto faz-me lembrar dois velhos pensamentos:

O lema do cangalheiro é "eu não quero que ninguém morra, só quero que a vida me corra".

"Nunca emprestes dinheiro a um amigo. Se emprestas, perdes o dinheiro e o amigo. Se não emprestas, perdes só o amigo".

(ultimamente tenho andado muito engraçadinho)

tags:
publicado por antiego às 22:58
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|

WCs sinistros

As casas de banho públicas são lugares sinistros, os crematórios são mais animados. Só há poucos meses aprendi que é melhor não dizer nada lá dentro a não ser um olá, e mesmo assim o mais seguro é nada dizer mesmo. Falar ao telemóvel na sanita é expormo-nos ao inimigo. Não falar ao telemóvel na sanita. Não dar traques quando alguém nos avistou e ainda permanece lá dentro. Azar é chegar a casa de banho quando um colega está a fazer um xixi demorado. Entramos para a sanita e temos que conter a cena para dar uma imagem de termos um rabo bem comportado. Mal o gajo sai é o à vontade de que todos os rabos deveriam gozar dentro do seu habitat natural. Menos penoso é quando estamos a acabar e entra alguém. Aí temos que fazer algum tempo. Desarmante mesmo é quando saímos e somos surpreendidos por um rabo exemplarmemnte bem comportado ou que já lá estava hà bué, de tal modo que não demos conta dele. Paranoia seria conferir todas as portas fechadas quando entramos.

Só que hoje não me consegui conter. Isto porque houve um tipo que quebrou o gelo. Estava eu na sanita sossegado, quando um tipo entra brincalhão para outro que estava no xixi.

- Então o teu Porto!?

E enquanto os dois trocavam pareceres, não me consegui controlar e com uma voz ligeiramente alta, de falsete, lá de dentro da minha casinha privada:

- Vai uma merda!

Ninguém comentou nada. Após 10 anos da história do meu ultimo post, ninguém continua a me ouvir. Aposto que cada qual chegou ao seu gabinete e comentou:

- O porto vai uma merda não vai?

tags: ,
publicado por antiego às 00:29
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Segunda-feira, 2 de Dezembro de 2013

Subliminar por aí

Ninguém me compreende. Ninguém acredita em mim. Hoje vou tentar explicar o meu drama a blogosfera.

Como eu sou um gajo anti-cliché, tento a todo o custo fugir a eles e ser original. Por isso digo muitas coisas inauditas que podem ser grandes idiotices. Como são coisas inauditas montes de vezes as pessoas não ouvem mesmo. Mas ficam lá subliminarmente na mente delas. Mais tarde elas repetem essas coisas que eu disse textualmente sem que nunca se apercebam da origem dessas palavras. Pensam ser as autoras da ideia. No melhor dos casos eu tenho a oportunidade de chamar a atenção do facto e elas admitirem que me estão a citar:

- Pois, eu estou a dizer isto porque concordo contigo.

Certa vez estava a almoçar com os meus colegas de departamento na cantina do trabalho. Ao meu lado, os meus bem conhecidos colegas comentavam a feira qualquer coisa da internacional do sexo talvez na FIL.

- LOL, nessa feira até podes conversar com a tua actriz porno favorita…

Eu aproveitei a deixa e tirei partido da porno-fobia social:

- Chassey Lane.

Ninguém disse nada. P assados poucos minutos oiço um deles a ter esta ideia engraçada:

- Ei, e se estivéssemos a ter a conversa sobre a feira do sexo e ao falar da actriz porno preferida, alguém dissesse. “é esta!”.

Pois, meus caros, é a diferença entre realidade e ficção.

tags: ,
publicado por antiego às 13:06
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds