"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Lei do Ruído 2017

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Domingo, 30 de Novembro de 2014

Teoricamente barato

Artigos e serviços cujo preço monetário é mais baixo do que o usualmente praticado só são teoricamente e relativamente baratos.

As coisas só são baratas na realidade, quando:

1. forem consumidas.

2. Trouxerem as vantagens que se esperava delas.

3. O custo e incomodo de as manter não for relevante.

tags:
publicado por antiego às 23:32
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|

Pessoas com Categoria

Há aqui uma rua mais sossegada no bairro, um bocado interiror, com pouco transito automóvel, mas ainda assim vão passando carros. Tem duas faixas, uma em cada sentido. Hoje ía atravessar a rua e vi um carro parado e outro a ultrapassa-lo muito vagarosamente. Eu esperei pela ultrapassagem para poder atravessar. Ao passar à minha frente vi o casal que ocupava o carro. A mulher com ar de reprovação a olhar para o carro de trás e olha para mim a abanar a cabeça à espera da minha anuência, e eu sem saber bem o que se passava. O condutor furibundo, virado para trás dizia bem alto:

- Isto é que é categoria! Que grande Categoria! O que é preciso é ter categoria. Sim senhor!

Realmente, olhei para o carro parado e vi um homem na maior, relaxado, sem dar qualquer sinalização e sem se importunar minimamente com os protestos dirigidos a si. Estava a planar, por cima. Já era tarde para mostrar ao casal a minha soliriedade.

tags:
publicado por antiego às 23:18
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Terça-feira, 11 de Novembro de 2014

UML: para pessoas que gostam de bonecada

Nunca gramei o UML. Sempre me pareceu uma bonecada para regalar pessoas que não são capazes de programar. Ainda consegui sabotar a primeira formação de UML na minha empresa, há uns bons anos atrás. Mas eles insistiram. Estava na moda, o pessoal pensava que UML era a luz e que quem não aprendesse ía ficar para trás.

O UML parece-me o expoente máximo de um movimento que deve ter começado nos anos 80 de estupidificação do programador.

Este movimento teve como objectivo complicar e burocratizar de tal maneira o ciclo de desenvolvimento de software que o próprio desenvolvimento de Software tornou-se a coisa menos importante no ciclo. e por consequência, o pogramador tornou-se no trabalhador mais estúpido - aquele que apenas faz o que os outros desenham para ele fazer.

Segundo este brilhante processo de desenvolvimento de Software, passa-se 2 meses a recolher requisitos, gerando 3 documentos de 3 niveis diferentes de requisitos. Passam-se 6 meses a especifcar a solução, passam-se 2 meses a preparar testes, produzem-se uma dúzia de documentos os quais provam que o trabalho está mesmo a avançar. Concebem-se incontáveis diagramas UML, dignos de um verdadeiro arquitecto. Com toda esta perfeição, o desenvolvimento de código em si, leva uns 15 dias e qualquer macaco o consegue fazer.

O UML é como a inteligência emocional: serve para aqueles pessoas que não são mesmo inteligentes, se sentirem inteligentes, de algum modo. Quem não perecebe de programação, não precisa, basta olhar para uns bonecos de UML e isso dá-lhe a sensação que domina todo o processo e o resto são pormenores técnicos.

Finalmente a comunidade está a chegar à conclusão que o UML é uma grande perda de tempo e... de papel.

publicado por antiego às 23:34
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Domingo, 2 de Novembro de 2014

10 contra 11, não!

Acho que já é tempo para os senhores do futebol perceberem que o que é natural é 11 jogarem contra 11. A diminuição de jogadores numa equipa é uma pena demasiado capital. È a tal história da pena de morte: e se o julgamento foi injusto?

Ainda que seja justo, não será uma pena demasiada? O cartão vermelho penaliza mais a equipa do que o próprio jogador e sabe-se como as coisas aquecem no futebol e sabem-se os erros que os árbitros cometem e a subjectividade das suas decisões.

Para resumir, a minha pena para o cartão vermelho seria:

1 - Jogador expulso (tal como até as regras actuais).

2 - Penalty.

3 - Jogador expulso pode ser substituido por outro, se as substituições não se esgotaram.

4 - Se a falta que originou a expulsão é um penalty, o jogador substituto só entra 10 minutos depois.

5 - penas de suspensão de jogos mais duras para cartões vermelhos e com recurso a imanges televisivas (agressões que o árbitro não viu, por exemplo)

Imaginem o que é haver uma expulsão aos 5 minutos de jogo, justa ou injusta, e passar-se o resto do jogo 10 contra 11. È adulterar completamente  o jogo. Onze contra dez não é justo.

publicado por antiego às 20:16
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds