"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Lei do Ruído 2017

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Segunda-feira, 11 de Maio de 2009

Unidas contra as Bestas Parideiras

            É deveras interessante este fenómeno de que me apercebi na blogosfera. O fenómeno da cruzada contra os pais. “Unidos contra as bestas parideiras” – dizem-me daqui do lado. “Essas bestas gordas e balofas que apodrecem nos seus lares de mofo, alimentando as suas crias gulosas, negligenciando os seus maridos e babando-se para cima dos seus filhos. Fêmeas que só pensam nas crias, não têm projecto de vida, não têm estatuto”.

            Será que mais ninguém reparou neste movimento?

 

            Bem, não é de tomar a blogosfera como uma boa amostra da população. Não creio que quem tenha filhos tenha muito tempo para andar aqui a blogo-surfar. Aliás, dizem as línguas mais afiadas, que quem anda a foder não deve ter muito tempo ou disponibilidade para andar na net.

            Não vejo na net nenhum movimento contra as pobres criaturas que não têm filhos. Também por isso não consigo perceber porque dizem que esses são rejeitados pela sociedade.

 

            Mais uma vez, não percebo porque as pessoas que não têm filhos se sentem marginalizadas. Só pode ser exagero e imaginação delas. Conheço um casal, casado há mais de 10 anos, que não tem filhos. Comentei o facto com um amigo meu que também o conhece. Claro que achamos estranho eles não terem filhos. Meus amigos, não é preconceito. É perfeitamente normal, comum, vulgar, uma pessoa querer casar, casar e querer ter filhos ou ter filhos (ou até gostar de sexo). Basta ver as estatísticas da história da humanidade: É expectável que uma pessoa se case e tenha filhos. Há quem diga que o objectivo do casamento é ter filhos (eu discordo). Se crescessemos numa sociedade em que só 20% dos casais tivessem filhos, acharíamos normal um casal não os ter. Será que os alegres solteirões têm o complexo de os acharem anormais? Isso é passado. No tempo dos nossos pais é que as mulheres ficavam para tias e os homens que não casavam eram uns falhados, coitados.

Hoje em dia, ninguém anda a marginalizar as pessoas solteiras. Tanto eu sempre achei que o casamento seria uma coisa que naturalmente as pessoas esperavam que as outras o fizessem, que nos meus tempos de “livre e disponível”, levava na boa as conversas de “tirar nabos da púcara”:

- Então, quando é que casas?

- Para o ano.

- Com quem?

- Falta encontrar a noiva.

 

            Compreende-se perfeitamente quem convictamente não queira casar ou ter filhos. Ambas as coisas exigem imenso trabalho, responsabilidade e paciência. Em Portugal, 50% dos casamentos estão a dar em divórcio. Quem não conhece casos extremamente lamentáveis de divórcios? Não admira que as pessoas, cada vez mais, não se queiram casar. É sensato. Mais sensato ainda é as pessoas ponderarem muito sobre a decisão de ter um filho. É da máxima responsabilidade. Não é brincadeira não.

 

            Por toda a minha vida, as raparigas sonhavam e falavam em ter filhos. Raparigas de todos os feitios. Gajas com muita vivacidade, gajos pra cima gajos pra baixo, altas noitadas, altas curtes, e falavam-me espontânea e apaixonadamente no dia em que teriam um bebé para cuidar.

            Também conheci muitas raparigas que diziam o cliché:

- Ah, eu não vou casar, nem quero ter filhos.

 

            Isto é, evidentemente, uma forma de defesa. Como quem diz:

- Nunca me digas que a minha vida é um fracasso, que não encontrei a minha cara-metade, que ninguém pegou em mim, que não fui mãe, porque logo à partida eu não queria nada disso.

 

Nos dias de hoje é perfeitamente normal (e ainda mais aceitável) uma mulher referir que ter filhos não está nos seus planos. Enquanto que há 40 anos atrás essa mulher ou seria queimada na fogueira ou assumia-se que ela queria dizer com aquilo que queria ir para freira.

O que é estranho é uma mulher fazer disso o seu cavalo de batalha. Usar a opção, pela negativa, “Não quero ter filhos”, como uma bandeira, o desígnio da sua vida. Fodo sim, adoro o sexo muito mais que todas vocês juntas, mas não para procriar. Só faltava eu, para me assumir, vir aqui para a praça declarar com toda a pujança e cagança: “Não quero apanhar no cú”.

 

Há algo de errado com quem se quer afirmar assim.

 

- Qual e o teu objectivo na vida?

- Não ter filhos.

- E tens conseguido?

- Tenho. Tomo a pílula, uso o diafragma e exijo sempre o preservativo. Já vou mais perto dos quarenta, mais uns aninhos entro na menopausa e serei livre para sempre.

- Boa sorte.

 

            Ou na apresentação:

 

- Olá, sou a Teresa Quecas (Quecas por parte do pai), não quero ter filhos.

- O prazer é todo meu.

publicado por antiego às 14:38
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
1 comentário:
De Anónimo a 29 de Maio de 2009 às 00:00
xxxxxxxxxxasdajdiqwjdjpmcwe9r8mcx,º<asçxcklq0wovm qlevaweinavmconakajdcnow3ierucvmaçw

Comentar post

Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds