"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Lei do Ruído 2017

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

Quem é que é Fingidor?

            Hoje pensava escrever um artigo que zombava da sobre-análise. Por coincidência, hoje apareceu o José Rodrigues dos Santos a a analisar Fernando Pessoa, no programa Conversa de Escritores. Boa chalaça, provavelmente José Rodrigues dos Santos por ter escrito uns livros considera-se escritor e do outro lado surge o entrevistado escritor. Melhor que isto são as entrevistas do Mário Soares.

            Então diz o Escritor entrevistador:

- Lembrei-me de um português, não sei s sabe quem foi, que escreveu um dia “O poeta é um fingidor”, ou seja, todos os sentimentos que encontramos nos seus poemas são fingidos. Ele finge, porque se realmente ele os sentisse não resultariam tão bem artisticamente como se os fingisse.

 

            Podem ver outra análise, bem mais detalhada em Autopsicografia - análise.

 

            Estamos a falar do poema super-comnhecido:

 

O poeta é um fingidor

Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

            Ora bem, a minha análise: o poeta é alguém que joga com as palavras, de uma maneira graciosa e intrigante.

 

            Estes analistas também jogam com as palavras, mas de uma maneira faliciosa e não graciosa.

            O que é fingir, o que é sentir, o que é mentir? Lembro-me desta frase intrigante que uma vez li sobre um escritor famoso: “ele já não sabia mentir, já não sabia sentir. Qual a diferença?”. O poeta é aquele que tem a liberdade de criar, criar novos conceitos, criar até novas palavras (como aquele exemplo escolar do Luís de Camões). O poeta tem a liberdade de subverter, jogar com as coisas, confundir as pessoas.

            O Analista já tem que falar uma linguagem mais directa. O problema é que o analista deseja ser artista, tem veleidades artististicas e começa a inventar como se fosse um poeta.

            A análise, a critica, traz muito pedantismo.

           

            Para mim, este poema de Fernando Pessoa só me diz uma coisa: é impossivel um escritor escrever bem sobre algo que nunca sentiu ou escrever sobre uma dor que não a experimentou de alguma forma.

            Aquilo a que chamam fingir, aqui,  não é mais que a sua interpretação da dor, a sua reprodução da dor. Poderiamos imaginar um violinista a transformar a sua dor em música.

           

            Mais a mais, vejo grande ironia neste poema de Fernando Pessoa, só me resta quanta ironia em exacto ele colocou neste poema.

            Pode ele ter querido apenas dizer que:

- Atenção, um poeta não é um actor. Fingimos, fingimos pois, mas à custa do nosso próprio sangue, e como senão bastasse vamos escarafunchar nas feridas para o extrair mais e outra vez.

            Fernando Pessoa não deixa de mandar uma boca aos analistas, com a ultima quadra. É uma clara zombaria aos racionais (a entreter a razão) que perdem o seu tempo a analisar estas coisas da alma (Que se chama coração).

 

            Não me admiraria nada se Fernando Pessoa ao ler estas análises, se ri-se aos solavancos. Como já aconteceu milhares de vezes com os autores.

 

            É evidente que o escritor se baseia na sua dor. Por isso, ouvir dizer:

- Todos os sentimentos que encontramos nos seus poemas são fingidos...

 

             É um bocado demais.

 

             Chamava à atenção aos analistas que a sua função é esclarecer e não confundir.

publicado por antiego às 00:00
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
2 comentários:
De Anónimo a 7 de Dezembro de 2009 às 18:55
"Meu velho" estás bem melhor neste post, apesar de sentir que esta da sobre-análise de uma forma indirecta reporta-se um pouco à nossa conversa anterior, mas tudo bem. Aqui portaste-te bem. Um abraço.
De antiego a 7 de Dezembro de 2009 às 19:02
Não, por acaso não me lembro de estar a pensar na nossa conversa quando escrevi isto. De facto, já há muito tempo que tenho na ideia escrever um post sobre os analistas da vida que sobre-analisam tudo. Ainda está por escrever.

Abraço

Comentar post

Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds