"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Lei do Ruído 2017

. Pretender

. FC Porto mais português!

. Os homens são todos iguai...

. Ninguém faz nada!

. A moda do brunch

. Lopetegui a treinador do ...

. Treinadores Portugueses

. Super-Mães

. Deve haver uma explicação

. E depois do Adeus

. Ginastica Mental

. Hino à prostituta

. Banco Alimentar

. Teoricamente barato

. Pessoas com Categoria

. UML: para pessoas que gos...

. 10 contra 11, não!

. Taxista Sportinguista

. Escolher um Bacalhau

. Só os Belos empacotam

. As leis não escritas

. EUA tinham que passar

. Programador burro

. Programador vs Eng. Softw...

. O Porto da minha Infãncia

. Fazer amigos

. Fui eu que inventei

. Pessoas bem-educadas

. Antigamente

. Jorge Jesus e P. da Costa

. AH! Apanhar uma Camioneta...

. Ser Benfiquista

. Ninguém sabia o que fazer

. Almas Gémeas

. Aprendendo a ser Jovem

. Homens Misteriosos

. Depois de Babel

. Melhor que Telenovela

. 25 de Abril para os Joven...

. No meu tempo

. FC Porto vergonhoso

. O Canal Q e a cidade

. Pessimismo e conspiração

. A fugir do próprio Ego

. Rabos e rabinhos

. BCP é bom camarada

. Palpites

. O Drama dos Penalties

. Tratamento de Psicologia

.arquivos

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

Cartão de Crédito

            Num daqueles programas de tv da tarde apareceu uma senhora formada em ecomomia, quiça até professora que havia lançado um livro que era uma espécie de gui económico pessoal.

            Dizia ela que muita gente lhe perguntava o que ela fazia com as suas economias, pois parecia ter mais dinheiro que outras que ganhavam quanto ela, inclusive outras colegas, economistas. Daí que resolveu lançar um livro para ajudar o mundo a gerir melhor o seu salário.

            Porém, a gaja não me convenceu na entrevista. Todas as dicas que deu eram muito evasivas, nada concretas, como o ultimo gajo que eu vi a ler as cartas do Tarot, deixava tudo no ar, à interpretação do cliente. Ou seja, não se queria compremeter em nada e ainda dava um ar de grande sabichão.

            Dou um exemplo. À pergunta se uma pessoa deve usar um cartão de crédito, ela responde com estas sábias palavras:
- Desde que a pessoa tenha consciência do que gasta.

 

            E todas as dicas e observações dela eram uma espécie de “Depende”, clichés, frases-feitas, acabando por remeter para o ouvinte a responsabilidade das suas finanças. Basta ter dito, à questão “como deve gerir uma pessoa o seu ordenado”?

- Com bom senso.

 

            Meus amigos, deixemo-nos de merdas. Vou dar aqui o meu testemunho, e armar-me em escritor de livros sobre Economia. Vamos é a coisas práticas e concretas. Comecemos pelo exemplo do cartão de crédito:

 

            Não peça um, não use, se o seu banco lhe enviar um pelos correios, rasgue-o prontamente, com raiva, e ameaçe o seu banco com um processo judicial que nunca levará para a frente porque não vai gastar dinheiro nessa merda. Tem dinheiro, compra. Não tem, não compra. Poupa, até ter dinheiro para comprar.

 

            Só num caso de extrema necessidade eu admitiria o uso de cartão de crédito. Exemplo: o seu computador avariou e você não pode passar sem um, por necessidade profissional ou por lazer. Já vi lojas que vendiam computadores ou electrodomesticos a prestações a 0% de juro. Verifique as facilidade de venda de computadores de todas as lojas. Alguma terá a prestação mais baixa e desconfio que o juro será mais baixo que o cartão de crédito.

            Em ultimo caso, já que o cartão se justifica para um caso muito esporádico, peça um crédito pessoal para a compra do computador. Ter crédito à mão, assim pegando apenas num cartão mágico, só dará azo a merda.

 

            O Ideal, e isto não é tão dificel de conseguir, é ter uma poupança previdente para dias chuvosos. Acredito muita boa gente, se se esforçasse um pouco, apenas tendo bons hábitos, conseguiria poupar algum, nem que fossem 20 euros por mês. Esses 20 euros devem ser vistos como uma despesa como outra qualquer, de preferência imediatamente transferidos, automaticamente por ordem bancária, no dia em que recebe o vencimento.

 

            Se tem um certo desafogo financeiro e lhe dá jeito o cartão de crédito para, por exemplo, fazer compras na internet, opte pelo pagamento a 100%. Ou seja, não é cobrado juro. Geralmente, no dia 1 de cada mês, o dinheiro gasto com o cartão de crédito será retirado da sua conta à ordem.

            De qualquer modo, com a MBNET, criam-se cartões de crédito virtuais, que podem ser usados na net, e com muita maior segurança. E Cada vez mais, os serviços portgueses na internet proporcionam o pagamento por referência bancária.

 

            Cartões de crédito? O melhor é não ter nenhum. Vade retro satanás.



tags: ,
publicado por antiego às 21:52
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
|
1 comentário:
De Ella a 20 de Janeiro de 2010 às 17:58
Passas a ser o guru financeiro da malta.
lol
Também não sou adepta dos cartões de crédito. Uso essencialmente os cartões de débito.
Contudo, há situações em que não temos muitas alternativas. Compras pela net, tal como referiste, e nas viagens ao estrangeiro.
Embora, na Europa, seja cada vez mais fácil usar os normalíssimos cartões de débito, há sítios onde só os de crédito passam.

Concordo contigo na ideia de comprar apenas quando se tem dinheiro para tal e de guardar algum para quando uma pessoa é apanhada "de calças na mão" por assim dizer.
Não ter pé de meia é como fazer ginástica acrobática em trapézio sem utilizar rede.

Comentar post

Contador Web
Contadores
online

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds