"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. O Peso do Palavrão

. Hold Me

.arquivos

. Maio 2018

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Terça-feira, 20 de Abril de 2010

O Peso do Palavrão

Em sabia que os americanos dizem palavrões até dizer chega. Primeiro pensei que pudesse ser só nas séries e filmes. Depois vi que aquilo se passa na vida real. Até que no programa “60 minutos” vi que um dos braços direitos de Obama é conhecido por praguejar demasiado. E ao perguntarem a este ordinário se o presidente Obama também proferia injúrias, ele revelou:

- Não vou responder a isso.

 

Sim, um presidente que num discurso diz coisas como “This sucker” e “He Screw… “, é um presidente que é bem capaz de dizer uns bons palavrões quando se irrita, na sala oval.

 

Pensei que os americanos são uns jabardos, mas os ingleses têm mais aquela educação fina.

Até que ao ver o Programa de Jamie Oliver na sua digressão pela Amérrica, ele diz isto:

- While my friends where shagging girls…

 

Não podia crêr. Ok, é o seu programa na América, ele é jovem e jovial, mas imaginem o Ricardo Araújo Pereira dizer o mesmo que o Jamie, na lingua Portuesa:

- Pois é, nas férias grandes, enquanto os meus amigos andavam no inter-rail a foder umas raparigas, o meu pai fechava-me no quarto e forçava-me a escrever umas piadas.

 

Dizer palavrões em lingua estrangeira não tem peso algum. Eu dizer um palavrão em inglês, até tem piada, mas não sabia é que para os própios anglofonos o palavrão não tem muito peso e é uma coisa mais natural.

 

Mais uma vez, não serão os portugueses (do sul) demasiado coninhas com as caralhadas?

O pessoal no norte tem um relação com o palavrão como têm os anglofonos: não tem peso algum e até acham piada. Há mesmo casos em que se trata carinhosamente um amigo por “aquele filho da puta”, e quando ele faz algo menos correcto, ele se torna “Que paneleiro!” – com quem repreende um filho:

- Ó meu morcão, então foste fazer uma coisa destas!

 

 

Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

Hold Me

            Sou da opinião que não há sinónimos. No outro dia perguntaram qual a diferença entre um xuto e um pontapé. Eu parei um bocado e disse:

- Um xuto pode ser dado com uma agulha.

            Do mesmo modo pode-se traduzir uma palavra de uma lingua para outra, mas elas não sou sinónimos. É tão licito traduzir o nome John para João, como traduzir lovely para amoroso.

            Uma vez editei um post sobre a poesia da lingua inglesa, o que muito irou um português tacanho. Dizia eu que nós temos a saudade, mas os ingleses têm essa belissima palavra que é Home. Mas há muitas mais coisas belas na lingua inglesa. Belas expressões que os nossos tradutores têm muita dificuldade em lidar com elas, e que dão azo a grandes demonstrações de incompetência. Meu deus, há traduções que são um autêntico atentado ao autor.

            Ontem chamou-me à atenção a palavra Hold me, num filme. O tradutor português não soube o que fazer com ela. Acho que até a ignorou. Não é das mais dificeis. Hold me é muito mais que um abraça-me. Hold me é uma coisa de uma extrema ternura. Como é que eu taduziria esta palavra?

 

            Deita-me no teu colo como se eu fosse um bébé (protege-me, trata de mim).

 

            Não é à toa que os anglofonos usam muito a expressão baby, na qual se associa bastante o carinho romãntico ao carinho maternal, ao carinho dado aos bébés e crianças.

 

            A definição que tenho mais presente da expressão Hold me, está descrita numa bela canção que reza assim:

 

'Til I Gain Control Again

( Emmylou Harris )

Just like the sun over the mountain top
You know I'll always come again
You know I love to spend my morning times
Like sunlight dancing on your skin

What you see is what I've been
There is nothing I could hide from you
You see me better than I can
Out on the roads that lies before me now
There are some turns where I will spin
I only hope that you can hold me now
'Til I can gain control again

Like a lighthouse you must stand alone
And mark a sailor's journey's end
Nno matter what seas I have been sailing on
I'll always row this way again

Out on the roads that lie before me now
There are some turns where I will spin
I only hope that you can hold me now
'til I can gain control again

I only hope that you can hold me now

 

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds