"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Poder Maternal

. O meu pai era heterossexu...

. A Mulher da minha Vida

.arquivos

. Maio 2018

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Domingo, 29 de Novembro de 2009

Poder Maternal

            Há 2 semanas passou uma reportagem na TV sobre as mães divorciadas que alienam os pais aos seus filhos. Ou seja, é a mãe divorciada que faz tudo para cortar a relação que o filho tem com o pai, ou chamemos-lhe desvinculamento. As tácticas usadas são das mais baixas que vão desde impedir o contacto entre pai e filho, simplesmente evitando encontros com o pai, ou meter minhocas na cabeça ao filho fazendo-lhe ver que o pai não presta.

            A conclusão desta boa reportagem é que as mães têm a faca e o queijo na mão. Fazem o que querem e saiem completamente impunes. Os pais, senão pagam a pensão de alimentos vão para a cadeia.

 

            Isto tem que mudar. Que se pode fazer em relação a uma mãe insidiosa que vive a envenenar o filho contra o pai? Esta é a parte mais dificil. A solução que vejo é arranjar forma de as mães serem avaliadas por um psicologo. Como serão avaliadas e a propósito de quê, é que seria uma coisa de estudar. Não precisa de ser uma coisa ostensiva. Por exemplo: anualmente, agentes da segurança social, psicologos, assistentes sociais, fariam uma entrevista à mãe e filho à laia do estado acompanhar a educação da criança. Podemos ir mais longe e requerer que filhos de pais divorciados sejam acompanhados, ainda que esporadicamente, por uma unidade de pedo-psiquiatria, visto tratarem-se de crianças potecialmente de risco. Quando um pedo-psiquiatra avalia uma criança também está a avaliar a mãe.

            Falo disto porque na referida reportagem, a mãe entrevistada era obviamente uma mulher perturbada e doentia.

 

            Quanto à mãe impedir o convivio entre o filho e o pai, a coisa é muito mais simples. Numa regulação tipica de poder paternal vem além da pensão de alimentos, os periodos em que o pai tem direito a estar com a criança. Normalmente um fim de semana de 15 em 15 dias e o natal ou passagem de ano, em anos alternados. O que acontece na realidade? A mãe, apetece-lhe, porque anda mal-humorada ou porque se sente encornada de o ex-marido (lol,  ou ex-pai) ter arranjado outra mulher, não levar a criança ao pai um fim de semana ou outro, ou o natal. No caso da reportagem o pai não via os filhos há cerca de 2 anos.

 

            Como contornar esta situação? Deixar tudinho preto no branco. Ficar ditado da regulação do poder paternal tudo ao pormenor. Não é que tenha de ser seguido à risca, mas é o que vale por omissão. Concerteza que entre pais que se dão bem ou pais civilizados, tanto rigor não será necessário. Muitas vezes dará jeito trocar um fim de semana com outro ou até o natal.

            Os contractos, as regras escritas no papel, existem para quando as pessoas não se dão bem e não conseguem chegar a acordo. Neste caso o pai ficaria protegido. Senão vejamos:

            Fins de semana com o pai. Sim, mas quais fins de semana? Tem que ficar explicito. As semanas são numeradas, embora nós, os portugueses, não usemos muito essa numeração. Tem que ficar, por exemplo, que o pai tem direito a ficar com o filho os fins de semana das semanas impares. Do mesmo modo, por exemplo, o pai tem direito a passar o natal com o filho todos os anos par, e as passagens de ano nos anos impares. Também deve ficar estipulado quem entrega o filho a quem, quando (dia e hora exactas) e aonde.

 

            Face a isto, não havendo bom entendimento entre os pais, caso a mãe falhe com o acordado de não aparecer ou não estar para o fim de semana do pai, o pai poderia dirigir-se a uma esquadra da policia para reclamar o filho – caso pensasse que a mãe estaria a agir de má fé. A policia procederia ás diligências para o filho aparecer para o fim de semana com o pai. Porventura começaria por telefonar à mãe notificando-a que o pai estaria ali à espera do seu filho, convidando-a a entregá-la. Claro que a mãe poderia se defender argumentando que sim senhor, foi a casa do marido, mas ele não se encontrava lá. Isso pouco importa, já são pormenores. Se um ou outro está a mentir, já é uma coisa entre eles. Se quiserem metam-se em tribunal, arranjem testemunhas, matem-se.

            O objectivo aqui é assegurar que a regulação do poder paternal é cumprida, ou seja, entregar a criança ao pai. Ao interesse da criança e ao direito do pai.

 

             De outro modo, as mães poderão continuar a cantar:

- I´ve got the Power!

Terça-feira, 10 de Março de 2009

O meu pai era heterossexual

            Ou, Rogeiro no seu melhor...

            Copio do blog  Àguas Lisas, a citação a uma frase do Nuno Rogeiro, por sua vez retirada do JN.

 

A verdade é que só há Humanidade porque há heterossexualidade, seja sentida, seja mecânica.

 

            Acho que já aprendi um bocado com jornais desportivos. Não me queria precipitar a julgar esta frase fora do seu contexto. Ainda estava com esperanças que fosse ironia. Não era, era non-sense.

 

            Obrigado Nuno, causaste grande galhofa no meu seio matrimonial. A minha companheira não deixou de apreciar esta tua ideia, tecendo considerações tais como: “Isto é daquelas frases capazes de mudar uma Opinião Pública, por inteiro. Um homossexual, perante esta frase, soçobra:

- Ora bolas, fui apanhado na curva.”

 

            A ti, Rogeiro, respondo-te:

- Não. Não concordo.

 

            Era e é possivel haver humanidade sem heterossexualidade. Mesmo há 3 milhões de anos atrás, seria possivel uma Austrolopitecazinha engravidar sem heterossexualidade. Se quiseres, eu eplico-te como. Ainda mais hoje em dia, com os nossos meios tecnológicos. Descansa, meu, podemos todos dar em bichonas, sem que isso ponha em perigo a sobrevivência da espécie humana. Até a clonagem é uma hipótese. E com a quantidade de seres humanos a sofrerem de egocentrismo agudo, estou certo que teria uma forte adesão.

           

            Sobre isto, outra atenta observação que escutei foi a de que, de facto, não se vêem muitas mulheres a pronunciarem-se sobre o casamento homossexual. Então! Como é?!

 

(Não falo do casamento homossexual entre duas fufas, mas entre dois mariconços)

música: To All the Girls Ive Loved Before - Willi Nelson
publicado por antiego às 17:02
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos
Sexta-feira, 5 de Outubro de 2007

A Mulher da minha Vida

Eu bem te quero encher de beijos

Eu bem te quero abraçar

Nem à força o consigo

Tu desprendes-te e ris-te à gargalhada

Até parece que não sabes como é triste ser rejeitado

 

Sonho em dormir abraçado a ti

Lembro-me como és querida quando estás doente

Aí, consigo ter te no meu colo

Consigo te beijar, e tu cordeirinha com esse olhar lindo

 

És um sol de alegria, és a mulher da minha vida

E eu recordo-me quando te cantava

 

Ó meu pai, ó meu pai

Ó meu pai, ó meu amado

Quem tem um pai tem tudo

Quem não tem pai não tem nado

 

Ó meu pai, ó meu pai

Onde estás que estou sozinha

Quem tem um pai tem tudo

Quem o perde é pobrezinha

 

La la, la la la, la la la la la

publicado por antiego às 17:04
| Comentar (ou não) | Adicionar aos Posts Favoritos

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds