"Espicaçar as consciências adormecidas"

.posts recentes

. Anda para aí uma falta de...

. Uso indevido do Mas

. Taveira, o Caso, a Anális...

.arquivos

. Maio 2018

. Março 2017

. Maio 2016

. Janeiro 2016

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

Quinta-feira, 9 de Abril de 2009

Anda para aí uma falta de afecto...!

            A blogosfera veio confirmar que, nesta vida, tudo se resume a sexo. A coisa mais importante no mundo é o sexo. De facto, até já li que a internet floresceu devido à indústria pornográfica. A percentagem de ficheiros partilhados, por esse mundo fora, são, na sua esmagadora maioria, videos pornográficos. A indústria do prazer é a principal lesada da pirataria informática.

 

            Ainda se falassem sobre sexo de uma maneira original e autêntica… mas não, é só escarrapachar clichés.

            Já li vários posts a iluminarem os blog-leitores que o grande mal do mundo é a falta de sexo. Eureka! Devem-se ter sentido uns génios ao terem essa percepção aguda que o grande mal estar das gentes é devido a não darem umas quecas, bem dadas.

           

            Coitados, não sabem mais, só sabem de sexo. E tudo gira á volta do sexo, como se fossem adolescentes a iniciarem-se sexualmente ou a fervilharem por se iniciarem. Dizem que é das hormonas.

 

            Há coisas bem mais graves do que a falta de sexo. Está certo que sexo é uma necessidade básica fisiológica. Quem se priva de uma necessidade, seja comer, beber ou ter sexo, sofrerá de forte irritação. De uma maneira, ou de outra, a necessidade sexual se resolve (Já a necessidade maternal se satisfaz com um macho ou o seu sucedãneo). Mas há uma necessidade básica que não é, de maneira alguma, auto-sufciente. E essa é o afecto.

            Podem também fazer outro exercicio de imaginação: emigrante brasileira a viver num país frio, a trabalhar 12 horas por dia, vivendo num quarto em condições paupérrimas.

 

            Para as bloguistas cheias de cio, é só ter sexo e andam o dia inteiro de sorriso de orelha a orelha. Dá para as Imaginar num sketch porno em que o canalizador dá-lhes a chapa 5: Chupa! começa romanticamente de missionário, ela monta-o de costas, ele dá-lhe uma canzana, vai-lhes ao cú e depois vem-se para a cara da gaja, para grande alegria dela.

 

            Há coisas bem mais graves que a privação de sexo e que fazem ou deixam uma pessoa rabujenta e mal-humorada. Elas são a privação de afecto e, tão simplesmente, a privação de sono.

            Para sua imensa sorte, estes iluminados do sexo (em que o sexo é o caminho da felicidade) nunca sofreram daquelas privações, de uma maneira doentia.

 

 

            Já o autor de Chispes e Couratos, diria que:

 

- Anda por aí muita gente com falta de uma boa refeição! Se as pessoas comessem uma bose de lampreia ou tivessem em casa um delicioso presunto caseiro, não andavam por aí rabujentas e antipáticas com os outros.

 

            Ainda me sobra aquela minha longinqua ideia de que um grande problema é o ego. Um ego mal saciado é do camandro. Mas, quem fala em ego fala em afecto? Também.

Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

Uso indevido do Mas

            Chamo à atenção para o uso indevido da conjugação mas. Ouve-se por aí demasiadas(os) idiotas a dizerem frases como:

- Eu fui ao restaurante mas comi um cozido à Portuguesa.

- A Mariana é uma mulher estupenda mas é bonita.

            Quando o mas deve ser usado em frases como:

- Eu gosto de sexo mas não gosto de apanhar no cú.

- A Mariana é uma mulher jeitosa mas não… (censurado pelo diácono dos blogues)

            Para dar mais uma pista: o mas não é um e.

Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007

Taveira, o Caso, a Análise, a Reflexão, os Mitos

            Desde que se fala dos videos do Taveira, fala-se que existem outras cassetes. Parece que há uma cassete que toda a gente viu, mas existem várias que andam por aí, ou estão muito bem guardadas. Inclusive falava-se de uma cassete só com gajas famosas. Rita Blanca, Leonor Beleza? A cassete que vocês viram não tinha só 4 senhoras?

            Ora, está na cara que não existem mais cassetes (quanto mais elas estariam no poder, exclusivamente, do realizador – as não descobertas). Isto é mais uma extrapolação tipica do povo. Quem conta um conto… Ele comeu aquelas quatro gajas, claro que comeu muitas mais e elas andam aí noutras cassetes. Mais hilariante é existir a cassete das famosas. Muita imaginação do povo – se ele comeu jovens apetitosas e como é uma “celebridade”, de certeza que foi ao cu a outras celebridades.

            Meus amigos, se essas cassetes existissem teriam aparecido. Há mais, há mais, mas nunca vi ninguém dizer que as tinha ou alguem que as visse. Mais um mito.

            Neste escandalo há uma questão moral que não posso deixar passar em claro. Quem somos nós para julgar as raparigas? Sabemos nós dos motivos que as levaram a tais práticas? Uma coisa é ouvir falar dos motivos, outra coisa é saber.

            Dizem que elas deram o rabinho para subirem na vida, para passarem à cadeira do arquitecto, etc. Más linguas, que cena. O povo fala muito, inventa e acredita naquilo que é mais degradante acreditar. Quem sabe se elas não estavam lá por gosto? Dor, há quem goste de dor. Quem sabe se elas não estavam apaixonadas por ele e o sacana se estava a aproveitar delas? O amor é cego e pode levar a sacrificios. Quem sabe se elas não eram mães solteiras e precisavam de alimentar o filhinho? Quem sabe se elas não tinham a avózinha que precisava de um transplante de coração e precisavam das influências do arquitecto para passar à frente das infindáveis listas de esperas.

            Estamos num mundo cão. Quem somos nós para julgar.

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds